Receita terá cadastro imobiliário em portal único e acesso gratuito – GEOCRACIA.COM

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS!

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Rériton Weldert Gomes, coordenador da Receita Federal

 

 

Anunciado na semana passada pela Receita Federal, o Cadastro Imobiliário Brasileiro (CIB) “terá suas informações reunidas gratuitamente em único portal por meio de ferramenta gráfica de visualização, respeitadas as regras de proteção de dados pessoais e de sigilo previstas em lei”. A afirmação é do coordenador Geral de Cadastros e Benefícios Fiscais da Receita Federal, Rériton Weldert Gomes. Em entrevista exclusiva ao Geocracia, Gomes explicou como irá funcionar a nova ferramenta, criada para agregar informações cadastrais das unidades imobiliárias rurais e urbanas, públicas ou privadas, em todo o país

Fonte: geocracia.com

O que motivou e quais são as diretrizes do CIB?

O Brasil tem mais de 5.000 municípios, cada qual com seu respectivo código de identificação de imóveis. Aliada à falta de integração entre os municípios para a troca de informações, essa diversidade de códigos dificulta sobremaneira o planejamento estratégico com base em informações territoriais, em âmbito nacional, estadual e regional, como construção de novas escolas, saneamento, ações de combate epidemiológicos, iluminação, segurança e transporte público etc.

Parte integrante do Sinter (Sistema Nacional de Gestão de Informações Territoriais), o CIB agregará informações cadastrais das unidades imobiliárias rurais e urbanas, públicas ou privadas, inscritas nos respectivos cadastros de origem.

Uma das recomendações do Banco Mundial, no relatório 89239, de 2014, Brazil Land Governance Assessment, foi a melhoria na cobertura, confiabilidade e integração dos cadastros de imóveis existentes no país.

O CIB cumpre esse papel integrador ao atribuir uma identificação unívoca, de âmbito nacional, para cada imóvel georreferenciado. A partir de sua instituição, serão desenvolvidos mecanismos e protocolos para troca de informações entre os diversos cadastros de imóveis no país. Essas informações serão reunidas em único portal e disponibilizadas para a sociedade brasileira, observando-se a regras de proteção de dados pessoais e de sigilo previstas em lei.

Salienta-se que a elaboração, manutenção e gestão dos cadastros de origem cabe às entidades designadas por lei, como o CNIR/INCRA, no caso dos imóveis rurais, e os municípios, em relação aos imóveis urbanos.

Rui Barbosa, em 1890, já dizia que as propriedades precisavam de um número para que os cidadãos pudessem comprar, vender, hipotecar, herdar ou desmembrá-las. Mas ele também afirmava ser imprescindível um serviço geográfico e cartográfico público e oficial como base. Considerando que o art. 21, XV, CF não foi regulamentado, como a Receita Federal pretende viabilizar esse serviço geográfico e cartográfico para a finalidade do CIB?

Não compete à RFB viabilizar o serviço geográfico e cartográfico para as entidades gestoras dos cadastros.

Nos termos do art. 37, inciso XXII, da CF, as administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios deverão atuar de forma integrada, inclusive com o compartilhamento de cadastros e de informações fiscais, na forma da lei ou convênio.

Com base nesta competência, o CIB pretende integrar as informações dos cadastros de imóveis existentes no país, construindo um banco de dados geoespaciais com abrangência nacional.

O CIB precisará trabalhar com escalas grandes, maiores que 1:20.000. O mapeamento nessa escala existente no Brasil é assimétrico – algumas áreas são bem servidas; outras, praticamente um escuro cartográfico. A Receita Federal teve a experiência de solicitar o cadastro do Plus Code, da Google, de forma indicativa para localizar propriedades transacionadas. Quais serão as opções tecnológicas?

Nos termos do Decreto nº 8.764/2016, os padrões de bases cartográficas, de dados georreferenciados e de metadados utilizados no Sinter deverão estar em conformidade com o disposto nas normas técnicas da Comissão Nacional de Cartografia – Concar.

As opções tecnológicas utilizadas na localização das propriedades serão efetuadas pelas entidades gestoras dos cadastros de origem: o CNIR/INCRA, no caso dos imóveis rurais, e os municípios, em relação aos imóveis urbanos. Cabe ao CIB apenas desenvolver protocolos de troca e integração das informações geradas.

O CIB e o Cadastro Ambiental Rural (CAR) terão algum tipo de interface? Se sim, como funcionará?

A decisão para integração do CAR com outros cadastros passa pela unificação dos vários centros de processamento de dados dos órgãos e entidades do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, dentre eles o SICAR, que será efetuada nos termos da proposta elaborada pelo Grupo de Trabalho instituído pela Portaria nº 162, de 13 de maio de 2020.

Nos termos dessa portaria, busca-se unificar todos os cadastros, que interessam e afetam os produtores rurais (como: SIGEF, SICAR, SNCR, CCIR e ADA) em uma “única base de dados”, considerando, para tanto, as especificidades de cada base, os respectivos marcos legais e os órgãos responsáveis pela governança.

A integração dos imóveis rurais no CIB ocorrerá por meio do Cadastro Nacional de Imóveis Rurais – CNIR, que é gerido pela Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil em conjunto com o INCRA, nos termos da Lei nº 10.267/2001. Eventual interface com o CAR será efetuada por meio do CNIR.

Como os dados serão enviados pelos interessados e disponibilizados para acesso público? Esses dados farão parte do sigilo financeiro ou serão abertos a quem quiser?

Os dados cadastrais serão enviados pelas entidades gestoras do cadastro de origem (CNIR/INCRA, no caso dos imóveis rurais, e municípios, em relação aos imóveis urbanos), após a celebração de convênio ou acordo de cooperação técnica. Eles serão disponibilizados gratuitamente por meio de ferramenta gráfica de visualização, respeitados o direito de acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º da Constituição Federal, a Lei nº 13.709 (LGPD, de 14 de agosto de 2018), as regras do sigilo fiscal e as demais hipóteses legais de sigilo e de restrição ao acesso a dados e informações.

Deixe um comentário

4 × 2 =